19°C 28°C
São Paulo, SP
Publicidade

Projeto proíbe edição de normas que tenham por objetivo uso inadequado de cavernas

Luis Macedo/Câmara dos Deputados Frota: órgãos ambientais e a sociedade estão mobilizados para impedir retrocesso O Projeto de Lei 32/22 proíbe o...

04/03/2022 às 11h13
Por: Redação Fonte: Agência Câmara de Notícias
Compartilhe:
Frota: órgãos ambientais e a sociedade estão mobilizados para impedir retrocesso - (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)
Frota: órgãos ambientais e a sociedade estão mobilizados para impedir retrocesso - (Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

O Projeto de Lei 32/22 proíbe o Poder Executivo da União, dos estados e dos municípios de editar qualquer norma – como leis, decretos ou instruções normativas – que tenha por objetivo a destruição, exploração e uso inadequado de cavernas no Brasil.

Em análise na Câmara dos Deputados, a proposta também revoga todas as normas legais atualmente em vigor que tenham esse objetivo e declara que todas as cavidades subterrâneas são consideradas áreas de proteção ambiental.

Continua após a publicidade

Pelo texto, a classificação atualmente existente para determinar qualquer atividade nas cavernas brasileiras deverá passar por reavaliação dos órgãos e entidades ambientais governamentais e não governamentais, além de receberem parecer de universidades. As concessões e permissões já concedidas deverão, igualmente, ser reavaliadas.

Ameaça às cavernas
Autor do projeto, deputado Alexandre Frota (PSDB-SP) diz que as cavernas brasileiras estão ameaçadas por decreto dos ministérios da Infraestrutura e de Minas e Energia (Decreto 10.935/22), que, segundo o parlamentar, "permite a destruição de cavernas de grau máximo de relevância em prol de obras consideradas de utilidade pública”.

Segundo ele, os órgãos ambientais e a sociedade civil estão mobilizados para impedir o retrocesso ambiental. "A falta de transparência deixou de fora da discussão as principais instituições relacionadas ao tema, como o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Cavernas (Cevac/ICMBio), o Ibama e os órgãos ambientais estaduais, responsáveis pelos licenciamentos ambientais", aponta.

"A Sociedade Brasileira de Espeleologia (SBE), que atua há mais de 50 anos na defesa das cavernas e dos ambientes subterrâneos brasileiros, também foi excluída da discussão", acrescenta.

Continua após a publicidade

Decisão do STF
No dia 24 de janeiro, acatando parcialmente ação apresentada pela Rede Sustentabilidade, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Ricardo Lewandowski suspendeu o decreto do governo que permite a construção de empreendimentos considerados de utilidade pública em áreas de cavernas.

O plenário do STF ainda precisa deliberar sobre o tema, mas o julgamento está interrompido até que o ministro Dias Toffoli, que pediu vista do processo,  apresente seu voto. Até lá, continua valendo a decisão anterior de Lewandowski.

Tramitação
O PL 32/22 será analisado em caráter conclusivo pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
São Paulo, SP
28°
Parcialmente nublado

Mín. 19° Máx. 28°

30° Sensação
8.05km/h Vento
63% Umidade
96% (7.21mm) Chance de chuva
05h58 Nascer do sol
06h42 Pôr do sol
Sex 30° 19°
Sáb 27° 20°
Dom 29° 21°
Seg 27° 20°
Ter 30° 21°
Atualizado às 16h14
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 4,96 +0,53%
Euro
R$ 5,37 +0,61%
Peso Argentino
R$ 0,01 +0,30%
Bitcoin
R$ 271,307,89 +0,67%
Ibovespa
130,240,55 pts 0.16%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade